Menu


Texto Banner 1
Texto Banner 2
Texto Banner 3
Texto Banner 4
Campos de exibição:
Famanho da fonte:
Linguagem:
Classificado por:
Permanent Link

Andropogon gayanus

Nome comum

Sinônimos

  • Andropogon gabonensis
  • Andropogon gayanus Kunth var. squamulatus
  • Andropogon guineensis
  • Andropogon reconditus
  • Andropogon squamulatus
  • Andropogon tomentellus
  • Cymbachne guineensis
 
  • bluestem
  • capim-andropogon
  • gamba grass
 

Taxonomia

Autor

Kunth 

Subespécie

 

Autor da subespécie

 

Gênero


Família


Ordem


Classe


Phylum


Reino


Subfamília


Série


Gerais

Área de distribuição natural

Da costa oeste do Senegal até o leste do Sudão. Moçambique, Botsuana, Namíbia e África do Sul.

Ambientes naturais

Savanas africanas tropicais e sub-tropicais.

Descrição da espécie

O capim-andropogon (Andropogon gayanus cv. planaltina) é uma gramínea forrageira perene, ereta, resistente à seca e ao frio, que cresce formando touceiras de até um metro de diâmetro e produz afilhos com altura variando entre 1 e 3 m. Originário da África Tropical, encontra-se amplamente distribuído na maioria dos cerrados tropicais, em áreas com estação seca bem prolongada. Produz entre 50 e 150 kg/ha. Vegeta bem em altitudes que variam desde o nível do mar até 1.400 m, principalmente em regiões onde a precipitação oscila entre 1.000 e 2.000 mm/ano. Tolera até nove meses de seca, embora seu crescimento seja favorecido em regiões com três a cinco meses de estiagem. Mantém sua atividade fotossintética e metabólica sob condições de stress hídrico e rebrota rapidamente com as primeiras chuvas.

Forma biológica

  • Herbácea
 

Reprodução

  • Sementes
 

Dispersão

  • Vento
  • Gravidade
 

Dieta

     

    Uso econômico

    • Forragem
     

    Uso econômico - descrição

    Utilizada como forrageira para pastagens. 

    Invasão

    Tipo de introdução Causa de introdução Local de introdução Data Descrição da introdução
    DeliberadaIntroduzida como forrageiraBrasil1942Andropogon gayanus var. bisquamulatus foi introduzida no Brasil em larga escala, inicialmente em 1942 e, recentemente, através do cultivar "Planaltina".

    Vetores de dispersão

    • Maquinário
    • Veículos rodoviários
     

    Vias de dispersão

    • Agricultura
    • Transporte de animais domésticos
     

    Ambientes preferenciais de invasão

    • Área degradada
    • Campos
     

    Ambientes preferenciais de invasão - descrição

    Apresenta excelente adaptação a solos ácidos e de baixa fertilidade, desenvolvendo-se melhor em solos profundos e bem drenados. O cultivar Planaltina tem forte tendência a escapar do cultivo e ocupar ambientes marginais e perturbados no Distrito Federal e Goiás. As demais espécies do gênero são daninhas encontradas em quase todo o território nacional. 

    Outros locais onde a espécie é invasora

    Norte da Austrália. 

    Impactos ecológicos

    A savana invadida por A. guayanus tem capacidade de combustão sete vezes acima do que aquela ocupada por capim nativo. Esta alta capacidade de combustão gerou um fogo em média oito vezes mais intenso que aquele atingido pela savana de capim nativo num mesmo período de tempo. Os resultados sugerem que A. guayanus é uma séria ameaça às savanas, com o potencial de alterar a estrutura da vegetação e iniciar ciclos de fogo, alterando os regimes naturais. 

    Impactos econômicos

     

    Impactos sociais

     

    Impactos à saúde

     

    Manejo

    Controle mecânico

    Facilmente eliminado por aração. O pastoreio por equinos é uma alternativa para controle localizado. 

    Controle químico

    Aspersão com herbicida à base de glifosato diluído em água a 2%. 

    Controle biológico

    Medidas preventivas

    Remoção da espécie ao longo de rodovias e estradas. 

    Resultados de análises de risco

    Alto risco para ilhas do Pacífico(http://www.hear.org/pier/species/andropogon_gayanus.htm). Alto risco, I3N – Instituto Hórus (plantas), www.institutohorus.org.br, Brasil.  

    Ocorrências

    Distribuição no país

    • Sem informação
     
    Estado Município Referência local Área protegida
    1Distrito FederalBrasíliaNo parque e em áreas limítrofesParque Nacional de Brasília
    2BahiaCruz das Almas
    3Espírito SantoVitóriaParque Natural Municipal de Tabuazeiro
    4Minas GeraisCoronel Pacheco
    5ParaíbaLastro
    6ParaíbaPoço Dantas
    7ParaíbaSanta Cruz
    8ParaíbaSousa
    9ParaíbaUiraúna
    10PiauíCanto do Buriti

    Projetos

    Título Espécies Contato

    Referências

    Título Autor
    Alien grasses in Brazilian savannas: a threat to the biodiversityPIVELLO, V. R.; SHIDA, C. N.; MEIRELLES, S. T.
    Abundance and distribution of native and alien grasses in a "cerrado" (Brazilian savanna) biological reservePIVELLO, V.R.; CARVALHO, V.M.C.; LOPES, P.F.; PECCININI, A.A.; ROSSO, S.
    Africanas no Brasil: gramíneas introduzidas da África.FILGUEIRAS, T. S.
    Formação e manejo de pastagens de capim-andropogon.COSTA, N. de L.
    Competition between the African grass Andropogon gayanus Kunth and the native cerrado grass Schizachyrium tenerum Nees.KLINK, C. A.
    Informe sobre las especies exóticas en VenezuelaOJASTI, J. ; JIMÉNEZ, E. G. ; OTAHOLA, E. S. ; ROMÁN, L. B. G.
    An assessment of the potential impact of Andropogon gayanus (gamba grass) on the economy, environment and people of Queensland.CSURHES, S.
    Agressividade de algumas gramíneas forrageiras na região de PiracicabaTORRES, A. P.
    African grass invasion in the Americas: ecosystem consequences and the role of ecophysiologyWILLIAMS, D. G.; BARUCH, Z.
    An overview of invasive plants in BrazilZENNI, R. D. ZILLER, S. R.
    Flora exótica no Parque Nacional de Brasília: levantamento e classificação das espécies.HOROWITZ, C. MARTINS, C. R. WALTER, B. M. T.
    Efeito do fogo anual na mortalidade e no banco de sementes de Andropogon gayanus Kunth. no Parque Nacional de Brasília/DFMARINHO, M. S. MIRANDA, H. S.
    Manejo da flora exótica invasora no Parque Nacional de Brasília: contexto histórico e atual.HOROWITZ, C. OLIVEIRA, A. S. SILVA, V. PACHECO, G. SOBRINHO, R. I.

    Análise de risco

    Amplitude ecológica

    • Generalista
     

    Capacidade de estabelecimento

    • Desconhecido
     

    Velocidade de crescimento e maturação

    • Anual ou perene, desenvolvimento rápido
     

    Reprodução vegetativa

    • Não tem capacidade de reprodução vegetativa
     

    Produção de sementes

    • Grande quantidade de sementes viáveis (mais de 10000/m2)
     

    Dispersão natural de sementes

    • Por agentes físicos (água, vento, etc.) mas não por fauna
     

    Dispersão associada a atividades humanas (intencional)

    • Dispersada intencionalmente por pessoas
     

    Dispersão associada a atividades humanas (acidental)

    • Não cresce em áreas de trânsito de pessoas e não tem estruturas que favorecem seu transporte
     

    Capacidade de dominância

    • Indivíduos formam núcleos de alta densidade
     

    Alelopatia

    • Não produz compostoso alelopáticos
     

    Hibridação

    • Não há espécies do mesmo gênero ou se descarta o risco de hibridação
     

    Toxicidade para a fauna silvestre

    • Nenhuma parte da planta é tóxica
     

    Hospedeira de parasitas ou patógenos

    • Não há evidência de que hospede patógenos ou parasitas
     

    Leva à alteração de ciclos ecológicos

    • Aumenta a frequência ou a intensidade de incêndios
    • Tem capacidade para modificar processos ecossistêmicos
     

    Causa mudanças na estrutura do hábitat ou na forma de vida dominante

    • A invasão não traz mudanças significativas a estrutura do hábitat ou a forma de vida dominante
     

    Impacto na economia

    • Impacto econômico baixo ou nulo
     

    Impacto na saúde humana

    • Impacto a saúde baixo ou nulo
     

    Impacto sobre valores culturais e sobre o uso tradicional da terra

    • Impacto a valores tradicionais baixo ou nulo
     

    Tipo de hábitat

    • Terrestre
     

    Características indesejáveis

       

      Capacidade de rebrote

      • Alta capacidade de rebrote a partir de ramos cortados
       

      Tempo de maturação

      • Produz sementes em um ano ou menos
       

      Banco de sementes

      • Desconhecido
       

      Resposta ao pastoreio

      • Favorecida pelo pastoreio de gado ou outros herbívoros
       

      Resposta ao fogo

      • Tolerantes ao fogo
       

      Viabilidade de controle

      • O controle é efetivo e há experiência local
       


      
      sziller@institutohorus.org.br | Brasil