Menu


Texto Banner 1
Texto Banner 2
Texto Banner 3
Texto Banner 4
Campos de exibição:
Famanho da fonte:
Linguagem:
Classificado por:
Permanent Link

Pinus sp.

Nome comum

Sinônimos

     
    • pínus
    • pinheiro-americano
     

    Taxonomia

    Autor

    L. 

    Subespécie

     

    Autor da subespécie

     

    Gênero


    Família


    Ordem


    Classe


    Phylum


    Reino


    Subfamília


    Série


    Gerais

    Área de distribuição natural

    Hemisfério norte: América do Norte, Europa e Ásia.

    Ambientes naturais

    A maior parte das espécies é de florestas temperadas, algumas de florestas subtropicais e tropicais.

    Descrição da espécie

    Na maior parte das espécies, árvores grandes, porém existem também arbustos de ramos verticilados. Folhas de dois tipos: folhas primárias de plantas jovens solitárias e temporárias; das axilas saem as folhas secundárias, mais persistentes, aciculadas; folhas secundárias em geral em grupos de 2-5, mas também há solitárias ou em mais de 5; bases das acículas inclusas em bainhas que podem ser decíduas ou permanentes. Flores monóicas formando estróbilos (cones) unissexuais. Estróbilos masculinos globosos, ou ovais, ou cilíndricos, rodeados de brácteas na base e formados de anteras deiscentes. Estróbilos femininos de numerosas e pequenas escamas, em geral cada uma traz na axila dois óvulos. Frutos em forma de cone, de grossura e forma muito variáveis, eretos ou mais ou menos inclinados, persistentes, ou no final caducos. Amadurecem em 2-3 anos. Formados por escamas espiraladas, imbricadas, lenhosas, geralmente muito engrossadas no ápice e fortemente compressos entre si até saltarem as sementes. Sementes muito variadas, aladas na maior parte das espécies.

    Forma biológica

    • Árvore
     

    Reprodução

    • Sementes
     

    Dispersão

    • Vento
     

    Dieta

       

      Uso econômico

      • Artigos domésticos
      • Horticultura
      • Material de construção
      • Químico
      • Sombra ou quebra-vento
       

      Uso econômico - descrição

      Madeira, para fabricação de móveis, laminação, compensados, celulose, resina e papel. 

      Invasão

      Tipo de introdução Causa de introdução Local de introdução Data Descrição da introdução
      DeliberadaPor interesse florestalBrasil1880Espécies de Pinus vêm sendo introduzidas no Brasil há mais de um século para diversas finalidades. Muitas delas foram trazidas pelos imigrantes europeus para fins ornamentais e para produção de madeira. As primeiras introduções de que se tem notícia foram de Pinus canariensis -proveniente das Ilhas Canárias, na Espanha - no Rio Grande do Sul, em torno de 1880. Por volta de 1936, foram iniciados os primeiros ensaios de introdução de espécies européias de Pinus para fins silviculturais. No entanto, não houve sucesso, em decorrência de má adaptação climática. Somente em 1948, através do Serviço Florestal do Estado de São Paulo, foram introduzidas para ensaios as espécies americanas conhecidas como "pinheiros amarelos" que incluem P. palustris, P. echinata, P. elliottii e P. taeda. Dentre essas, as duas últimas se destacaram pela facilidade nos tratos culturais, rápido crescimento e reprodução intensa no Sul e Sudeste do Brasil, que na época não foi vista como processo de invasão. Desde então um grande número de espécies continuou sendo introduzido e estabelecido, em experimentos em campo, por agências do governo e empresas privadas, visando o estabelecimento de plantios comerciais. A diversidade de espécies e raças geográficas testadas, provenientes não só dos Estados Unidos mas também do México, da América Central, do Caribe e da Ásia viabilizou traçar um perfil das características de desenvolvimento de cada espécie para o estabelecimento de plantios comerciais em diversas condições ambientais no Brasil.

      Vetores de dispersão

      • Humano
      • Maquinário
      • Vento
      • Solo
       

      Vias de dispersão

      • Agricultura
      • Comércio de mudas
      • Translocação de maquinário
      • Uso florestal
      • Uso ornamental
      • Auto-propagação
       

      Ambientes preferenciais de invasão

      • Área degradada
      • Campos
      • Formação arbustiva
      • Vegetação costeira
       

      Ambientes preferenciais de invasão - descrição

      Áreas degradadas de florestas e ambientes abertos, secos até muito úmidos. 

      Outros locais onde a espécie é invasora

      Canadá, Argentina, Uruguai, Chile, Austrália, Nova Caledônia, Nova Zelândia, Madagascar, Malaui, África do Sul. 

      Impactos ecológicos

      Em ecossistemas campestres a invasão de qualquer espécie de Pinus implica a substituição da vegetação nativa, expulsa por sombreamento. Aumento gradativo na acidez do solo. Elevado consumo de água, podendo impactar o nível do lençol freático. A presença de Pinus sp. em ambiente úmidos diminuiu a riqueza de invertebrados aquáticos em lagoas naturais. 

      Impactos econômicos

      A necessidade de controle permanente a partir de plantios, especialmente em ambientes abertos como campos, restingas e áreas agrícolas, ferrovias e estradas, gera custos de manutenção para o setor privado e para o setor público. 

      Impactos sociais

      Redução da disponibilidade de água, devendo haver restrições de área ao plantio em função das características ecológicas e climáticas de cada local. 

      Impactos à saúde

      Alergia na época de floração em áreas onde há plantios extensos perto de habitações humanas. 

      Manejo

      Controle mecânico

      Corte na base do tronco. Arranquio de plantas jovens. O anelamento funciona mas nem sempre é eficiente. Precisa ser um anel largo, com 50cm de altura, e a planta demora até 2 anos para secar. 

      Controle químico

      Não é necessário, pois não há rebrotamento. 

      Controle biológico

      Medidas preventivas

      Plantios devem ser realizados onde há menor possibilidade de dispersão de sementes pelo vento, evitando áreas altas e cursos de água. Implantar controle periódico para remoção de plântulas que se dispersem a partir de plantios. Não utilizar com fins ornamentais, de quebra-vento ou arborização de estradas. As árvores isoladas produzem muito mais sementes do que as árvores de plantios e com isso o potencial de dispersão de sementes para formação de processos de invasão biológica é imensamente maior, principalmente em regiões de campos. 

      Resultados de análises de risco

      Ocorrências

      Distribuição no país

      • Amplamente distribuída
       
      Estado Município Referência local Área protegida
      1São PauloSão Paulo.Parque Estadual Fontes do Ipiranga
      2Santa CatarinaFlorianópolisTrilha da Pedra dos GaviõesParque Municipal do Morro da Cruz
      3Santa CatarinaFlorianópolisParque Natural Municipal da Lagoinha do Leste
      4Santa CatarinaFlorianópolisEncosta do lado direito da trilha Matadeiro-LagoinhaParque Natural Municipal da Lagoinha do Leste
      5Santa CatarinaFlorianópolisEncosta da Praia do MatadeiroParque Natural Municipal da Lagoinha do Leste
      6Santa CatarinaFlorianópolisCume do Morro da CoroaParque Natural Municipal da Lagoinha do Leste
      7Santa CatarinaFlorianópolisDuna frontal da Praia da JoaquinaParque Natural Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição
      8Santa CatarinaFlorianópolisAo longo de toda a Trilha da RestingaParque Natural Municipal da Lagoa do Peri
      9Santa CatarinaFlorianópolisZona de AmortecimentoMonumento Natural Municipal da Galheta
      10Santa CatarinaFlorianópolisEncosta da Prainha da Barra da LagoaMonumento Natural Municipal da Galheta
      11Santa CatarinaFlorianópolisAo longo de toda a Trilha da Boa VistaMonumento Natural Municipal da Galheta
      12ParanáCuritibaParque Municipal da Barreirinha
      13Santa CatarinaFlorianópolisSapiens ParqueParque Natural Sapiens
      14São PauloSão Paulo.Parque Estadual das Fontes do Ipiranga
      15Santa CatarinaFlorianópolisEntorno do Parque Sapiens, Canasvieiras, na trilha do Rio do Braz e ao longo da SC‐401Parque Natural Sapiens
      16Santa CatarinaFlorianópolisSC-401, às margens da rodovia, bairro de Santo Antônio de Lisboa
      17Santa CatarinaFlorianópolisSC-401, próximo a Santo Antônio de Lisboa
      18Santa CatarinaUrubiciEntorno do Parque Nacional de São Joaquim, caminho para Santa Bárbara
      19ParanáParanaguáRodovias BR-277, PR-407 e PR-508 na faixa de domínio da Concessionária Ecovia Caminho do Mar S.A.
      20Distrito FederalBrasíliaOcorre no interior do parque e em áreas limítrofesParque Nacional de Brasília
      21Santa CatarinaPraia GrandeEm áreas abertas e camposParque Nacional de Aparados da Serra
      22Rio Grande do SulCambará do SulParque Nacional de Aparados da Serra
      23Santa CatarinaPalhoçaBaixada do MaciambuParque Estadual da Serra do Tabuleiro
      24Santa CatarinaGovernador Celso RamosEncostas de morros
      25Rio Grande do SulSão José do NorteEm diversos pontos
      26São PauloIporangaEntorno do parque e no caminho do acesso principal para a sedeParque Estadual Intervales
      27Rio Grande do SulPorto AlegreCircuito sede-açude
      28Santa CatarinaFlorianópolisPraia da Lagoinha do Leste, morro das Três Coroas
      29Santa CatarinaGaropabaRodovia BR-101 sentido Florianópolis - Garopaba
      30Santa CatarinaGaropabaPraia do Ouvidor
      31BahiaEsplanadaAo longo da Rodovia BA-099
      32São PauloTapiraíParque Estadual Carlos Botelho
      33São PauloCapão BonitoParque Estadual Carlos Botelho
      34São PauloSete BarrasParque Estadual Carlos Botelho
      35São PauloSão Miguel ArcanjoParque Estadual Carlos Botelho
      36BahiaPalmeirasPovoado de Cercado
      37Espírito SantoGuarapariParque Estadual Paulo César Vinha
      38BahiaPalmeirasEntorno imediato do ParqueParque Nacional da Chapada Diamantina
      39São PauloMogi GuaçuDistrito de Martinho Prado Jr.Reserva Biológica de Mogi-Guaçu
      40SergipeSanto Amaro das Brotas
      41São PauloIporangaÁreas de mata ciliar e beiras de estrada
      42São PauloÁguas de Santa BárbaraEstação Ecológica de Águas de Santa Bárbara
      43São PauloItirapinaEstação Ecológica de Itirapina
      44São PauloItapetiningaEstação Ecológica de Itapetininga
      45São PauloItirapinaÁreas de cerrado
      46São PauloBom Sucesso de ItararéRegião conhecida como DemétriaÁrea de Proteção Ambiental de Botucatu
      47São PauloSete BarrasEntorno do Parque e no caminho do acesso principal para a sedeParque Estadual Intervales
      48São PauloEldoradoEntorno do parque e no caminho do acesso principal para a sedeParque Estadual Intervales
      49São PauloGuapiaraEntorno do parque e no caminho do acesso principal para a sedeParque Estadual Intervales
      50São PauloRibeirão GrandeEntorno do Parque e no caminho do acesso principal para a sedeParque Estadual Intervales
      51São PauloSete BarrasÁreas localizadas na região do Núcleo Sete BarrasParque Estadual Carlos Botelho
      52São PauloItapeva
      53São PauloCananéiaParque Estadual da Ilha do Cardoso
      54Santa CatarinaCanoinhasPlanalto norte de Santa Catarina
      55Santa CatarinaTrês BarrasÁrea do exército em parceria com EMBRAPA
      56Santa CatarinaPaulo LopesRodovia BR-101 sentido Florianópolis - Garopaba
      57Santa CatarinaPalhoçaRodovia BR-101 sentido Florianópolis - Garopaba
      58Santa CatarinaAlfredo WagnerReserva Particular do Patrimônio Natural Rio das Furnas
      59Santa CatarinaAlfredo Wagner
      60Santa CatarinaSão Domingos
      61Santa CatarinaCorreia PintoÁreas adjacentes a plantios de pínus
      62Santa CatarinaLagesÁreas adjacentes a plantios de pínus
      63Santa CatarinaNova TrentoReserva Biológica da Canela Preta
      64Santa CatarinaBotuveráReserva Biológica da Canela Preta
      65Santa CatarinaBenedito NovoDuas glebasReserva Biológica do Sassafrás
      66Santa CatarinaNova VenezaReserva Biológica Estadual do Aguaí
      67Santa CatarinaSiderópolisReserva Biológica Estadual do Aguaí
      68Santa CatarinaMeleiroReserva Biológica Estadual do Aguaí
      69Santa CatarinaOrleansParque Estadual da Serra Furada
      70Santa CatarinaGrão ParáParque Estadual da Serra Furada
      71Santa CatarinaPalhoçaPico do CambirelaParque Estadual da Serra do Tabuleiro
      72Santa CatarinaGovernador Celso RamosArmação da Piedade
      73Santa CatarinaSanto Amaro da ImperatrizAo longo da rodovia SC-282
      74Santa CatarinaÁguas MornasAo longo da rodovia SC-282
      75Santa CatarinaRancho QueimadoAo longo da rodovia SC-282
      76Santa CatarinaFlorianópolisJurerê e Canasvieiras, nas encostas dos morros
      77Santa CatarinaFlorianópolisCampeche, AçoresParque Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição
      78Santa CatarinaFlorianópolisParque Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição
      79Santa CatarinaUrubiciReserva Particular do Patrimônio Natural Portal Água Branca
      80Santa CatarinaSão Francisco do SulParque Estadual do Acaraí
      81Santa CatarinaJacinto MachadoParque Nacional da Serra Geral
      82Santa CatarinaPraia GrandeParque Nacional da Serra Geral
      83Santa CatarinaFlorianópolisPonta da Galheta
      84Santa CatarinaFlorianópolisMorro do Farol, Praia de Naufragados
      85Rio Grande do SulGravataíEm todo o município
      86Rio Grande do SulViamãoEm áreas de campoParque Natural Municipal Saint Hilaire
      87Rio Grande do SulPorto AlegreEm áreas de campoParque Natural Municipal Morro do Osso
      88Rio Grande do SulPiratiniPlantios florestais
      89Rio Grande do SulGramadoPlantios florestais
      90Rio Grande do SulRolantePlantios florestais
      91Rio Grande do SulRiozinhoPlantios florestais
      92Rio Grande do SulSão Francisco de PaulaParque Estadual do Tainhas
      93Rio Grande do SulCanelaPlantios florestais
      94Rio Grande do SulSão Francisco de PaulaContendasEstação Ecológica de Aratinga
      95Rio Grande do SulTaquaraEm todo o município
      96Rio Grande do SulDom Pedro de AlcântaraEntorno do Parque Estadual de ItapevaParque Estadual de Itapeva
      97Rio Grande do SulTrês CachoeirasEntorno do Parque Estadual de ItapevaParque Estadual de Itapeva
      98Rio Grande do SulMaquinéEntorno do Parque Estadual de ItapevaParque Estadual de Itapeva
      99Rio Grande do SulTerra de AreiaEntorno do Parque Estadual de ItapevaParque Estadual de Itapeva
      100Rio Grande do SulOsórioEntorno do Parque Estadual de ItapevaParque Estadual de Itapeva
      101Rio Grande do SulTorresEntorno do Parque Estadual de ItapevaParque Estadual de Itapeva
      102Rio Grande do SulArroio do SalEntorno do Parque Estadual de ItapevaParque Estadual de Itapeva
      103Rio Grande do SulCapão da CanoaEntorno do Parque Estadual de ItapevaParque Estadual de Itapeva
      104Rio Grande do SulXangri-láEntorno do Parque Estadual de ItapevaParque Estadual de Itapeva
      105Rio Grande do SulTramandaíEm diversos pontos
      106Rio Grande do SulCidreiraEm diversos pontos
      107Rio Grande do SulEncruzilhada do SulEm diversos pontos
      108Rio Grande do SulSão José dos AusentesEm todo o município
      109Rio Grande do SulViamãoRefúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos
      110Rio Grande do SulEncruzilhada do SulEm todo o município
      111Rio Grande do SulJaquiranaPlanalto em cima da serra
      112Rio Grande do SulCambará do SulRegião dos campos em cima da serra
      113Rio Grande do SulCambará do SulParque Nacional da Serra Geral
      114Rio Grande do SulPalmares do SulParte sul do litoral
      115Rio Grande do SulSão Francisco de PaulaParque Nacional da Serra Geral
      116Rio Grande do SulSão José do NorteParte sul do litoral
      117Rio Grande do SulCambará do SulParque Estadual do Tainhas
      118Rio Grande do SulBom JesusParte sul do litoral
      119Rio Grande do SulJaquiranaParque Estadual do Tainhas
      120Rio Grande do SulViamãoParque Estadual de Itapuã
      121Rio Grande do SulSão Francisco de PaulaPlanalto no alto da serra
      122Rio Grande do SulSarandiParque Estadual de Rondinha
      123Rio Grande do SulBarracãoParque Estadual do Espigão Alto
      124Rio Grande do SulBom JesusPlanalto em cima da serra
      125Rio Grande do SulMaquinéInterior da reserva e entornoReserva Biológica Estadual da Serra Geral
      126Rio Grande do SulMostardasParte sul do litoral
      127Rio Grande do SulMaquinéInterior da reserva e no entornoReserva Biológica Estadual da Serra Geral
      128ParanáQuatro BarrasÁrea de Proteção Ambiental do Iraí
      129Minas GeraisSacramentoParque Nacional Serra da Canastra
      130Minas GeraisParaopebaFloresta Nacional de Paraopeba
      131Espírito SantoDomingos MartinsSanta Maria de Jetibá
      132Espírito SantoVenda Nova do ImigrantePróximo à BR-262
      133Espírito SantoMarechal FlorianoPróximo à BR-262
      134Espírito SantoCasteloZonas de amortecimentoParque Estadual do Forno Grande
      135Espírito SantoDomingos MartinsZonas de amortecimentoParque Estadual da Pedra Azul
      136Espírito SantoDomingos MartinsPróximo à BR-262
      137Espírito SantoConceição da BarraBeira da estradas
      138ParanáCampo LargoFazenda São José
      139ParanáAntoninaNo interior da unidadeReserva Particular do Patrimônio Natural do Cachoeira
      140ParanáMorretesParque Estadual da Serra da Graciosa
      141ParanáGuarapuavaRegião da Serra da Esperança
      142ParanáGuarapuavaFazenda Campo de Dentro
      143ParanáTibagiFazenda Rincão do Paiol
      144ParanáTibagiFazenda Salto Cotia
      145ParanáCastroFazenda do Salto
      146ParanáCerro AzulSítio Paiol
      147ParanáLapaFazenda Arapongas
      148ParanáTibagi.Reserva Particular do Patrimônio Natural Sonho Meu I e II
      149ParanáLapaParque Estadual do Monge
      150ParanáTibagiParque Estadual do Guartelá
      151ParanáPiraquaraSítio Oluapatu
      152ParanáGuaraqueçabaReserva Particular do Patrimônio Natural Serra do Itaqui
      153ParanáAntoninaReserva Particular do Patrimônio Natural do Cachoeira
      154ParanáAdrianópolisAo longo dos vales
      155ParanáRio Branco do SulPelos vales da região
      156ParanáItaperuçuAo longo da estrada do Canelão
      157BahiaCondeAo longo da Rodovia BA-099
      158BahiaEntre RiosAo longo da Rodovia BA-099
      159Santa CatarinaFlorianópolisParque Estadual do Rio Vermelho
      160Santa CatarinaFlorianópolisParque Estadual do Rio Vermelho
      161Minas GeraisBelo HorizonteParque Municipal das Mangabeiras
      162Mato GrossoChapada dos GuimarãesParque Nacional da Chapada dos Guimarães
      163Espírito SantoIrupiParque Nacional do Caparaó
      164Espírito SantoIbitiramaParque Nacional do Caparaó
      165Espírito SantoDores do Rio PretoZona de amortecimentoParque Nacional do Caparaó
      166Espírito SantoCariacicaReserva Biológica de Duas Bocas
      167Rio Grande do SulPiratiniCerro Alegre
      168Rio Grande do SulEncruzilhada do SulCerro Verde
      169Rio Grande do SulMostardasTrikala
      170Rio Grande do SulTavaresEm diversos pontos
      171Rio Grande do SulCambará do SulEm diversos pontos
      172Rio Grande do SulJaquiranaEm diversos pontos
      173Rio Grande do SulSão Francisco de PaulaEm diversos pontos
      174Rio Grande do SulPiratiniEm diversos pontos
      175Rio Grande do SulGravataíMargens da Rodovia RS-030Área de Proteção Ambiental do Banhado Grande
      176Rio Grande do SulGlorinhaMargens da Rodovia RS-030Área de Proteção Ambiental do Banhado Grande
      177Rio Grande do SulGlorinhaMargens da Rodovia RS-290Área de Proteção Ambiental do Banhado Grande
      178Rio Grande do SulGravataíMargens da Rodovia RS-290Área de Proteção Ambiental do Banhado Grande
      179Rio Grande do SulSanto Antônio da PatrulhaMargens da Rodovia RS-030Área de Proteção Ambiental do Banhado Grande

      Projetos

      Título Espécies Contato
      Diagnóstico e controle da invasão de Pinus nas áreas de influência das rodovias na Área de Proteção Ambiental do Banhado Grande.Pinus sp., Lokschin, Luísa Xavier

      Referências

      Título Autor
      Contaminação biológica por espécies vegetais invasoras nas margens da represa de Vossoroca, APA de Guaratuba, Paraná, Brasil.BLUM, C. T.; POSONSKI, M.; HOFFMANN, P. M.
      Ecology and biogeography of PinusRICHARDSON, D. M. (ed.)
      Evaluación del cambio tecnológico em pinus: uma aplicación em la región Sur de Brasil.DE ALENCAR, J. R.
      Pinus na silvicultura brasileiraSHIMIZU, J. Y.
      Recuperação ambiental e contaminação biológica: aspectos ecológicos e legais.ESPÍNDOLA, M. B.; BECHARA, F. C.; BAZZO, M. S.; REIS, A.
      Informe sobre las especies exóticas en VenezuelaOJASTI, J. ; JIMÉNEZ, E. G. ; OTAHOLA, E. S. ; ROMÁN, L. B. G.
      A Estepe Gramíneo-Lenhosa no segundo planalto do Paraná: diagnóstico ambiental com enfoque à contaminação biológica.ZILLER, S. R.
      Espécies exóticas invasoras e recuperação de áreas degradadas.ZILLER, S. R.
      Levantamento de plantas exóticas invasoras e estabelecidas na área urbana e entorno do município de Iporanga - SPMARTINS, A. G. S.
      Campos de altitude na serra do mar Paranaense: aspectos florísticos e estruturais.MOCOCHINSKI, A. Y.
      Control de pinos invasores en el Parque Provincial Ernesto Tornquist (Buenos Aires): areas prioritarias y analisis de costosY. A. CUEVAS; ZALBA, S. M.
      Recovery of native Grasslands after removing invasive pinesCUEVAS, Y. A. & ZALBA, S. M.
      Invasion of Pinus halepensis Mill. following a wildfire in an Argentine grassland nature reserveZALBA, S. M.; CUEVAS, Y.A.; BOÓ, R. M.
      Impacts of restoration treatments on alien plant invasion in Pinus ponderosa forests, Montana, USADODSON, E. K.; FIEDLER, C. E.
      Management of plant invasions mediated by frugivore interactionsBUCKLEY, Y. M.; , ANDERSON, S.; CATTERALL, C. P.; CORLETT, R. T.; ENGEL, T. GOSPER, C. R.; NATHAN, R.; RICHARDSON, D. M.;SETTER, M.SPIEGEL 8 , GABRIELLE VIVIAN-SMITH 7 , FRIEDERIKE A. VOIGT 11 , JA
      Slowing down a pine invasion despite uncertainty in demography and dispersalBUCKLEY, Y. M.;BROCKERHOF, E.;LANGER, L.;,LEDGARD, N.;NORTH, H.; REES, M.
      Efeito de diferentes coberturas vegetais sobre as características físicas e químicas de um latossolo vermelho-amarelo álicoCÓSER, A. C.; MARTINS, C. E.; FONTES, L. E. F.; BARROS, N. F.; SARAIVA, O. F.
      A field demonstration of the effect on streamflow of clearing invasive pine and wattle trees from a riparian zone.DYE, P. J.; POULTER, A. G.
      Reductions in plant species richness under stands of alien trees and shrubs in the fynbos biomeRICHARDSON, D. M.; MACDONALD, I. A. W.; FORSYTH, G. G.
      Forestry trees as invasive aliensRICHARDSON, D. M.
      Commercial forestry and agroforestry as sources of invasive alien trees and shrubs. In: Invasive species and biodiversity managementRICHARDSON, D. M.
      Predicting the landscape-scale distribution of alien plants and their threat to plant diversityHIGGINS, S. I.; RICHARDSON, D. M.; COWLING, R. M.; TRINDER-SMITH, T. H.
      Determinants of plant distribution: evidence from pine invasionsRICHARDSON, D. M.; BOND, W. J.
      Pine invasions in the southern hemisphere: modelling interactions between organism, environment and disturbanceHIGGINS, S. I.; RICHARDSON, D. M.
      Modeling invasive plant spread: the role of plant-environment interactions and model structureHIGGINS, S. I.; RICHARDSON, D. M.; COWLING, R. M.
      An expert system for screening potentially invasive alien plants in South African fynbosTUCKER, K. C.; RICHARDSON, D. M.
      Why is mountain fynbos invasible and which species invade? In: Fire in South African mountain fynbosRICHARDSON, D. M.; COWLING, R. M.
      Invasion and control of alien woody plants on the Cape Peninsula Mountains, South Africa - 30 years onMOLL, E. J.; TRINDER-SMITH, T.
      Biological control of alien, invasive pine trees (Pinus species) in South AfricaMORAN, V. C.; HOFFMANN, B. W.; VAN WILGEN, B. W.; ZIMMERMANN, H. G.
      Pine invasion and control in an Argentinian nature reserveZALBA, S. M.; BARRIONUEVO, L.; CUEVAS, Y.
      What makes a species invasive? In: Plant invasions - general aspects and special problems (PYSEK, P.; PRACH, K.; REJMÁNEK, M.; WADE, M. eds.)REJMÁNEK, M.
      Invasion of Pinus lutchuensis and its influence on the native forest on a Pacific islandSHIMIZU, Y.; TABATA, H.
      Time-lags between introduction, establishment and rapid spread of introduced environmental weedsBINGGELI, P.
      A theory of plant seed invasiveness: the first sketchREJMÁNEK, M.
      Protocols for plant introductions with particular reference to forestry: changing perspectives on risks to biodiversity and economic developmentHUGHES, C. E.
      Invaded - the biological invasion of South AfricaJOUBERT, L.
      Delayed germination of introduced conifersLANGER, L.
      The spread of introduced conifers on Molesworth Station - present situation and future control optionsLEDGARD, N.
      Guidelines for the control and management of wilding treesLEDGARD, N.; LANGER, E. R.
      Wilding prevention - guidelines for minimising the risk of unwanted wilding spread from new plantings of introduced conifersLEDGARD, N.; LANGER, E. R.
      Wilding prevention - guidelines for minimising the risk of unwanted wilding spread from new plantings of introduced conifersLEDGARD, N.; LANGER, E. R.
      Chemical control of wilding conifer seedlings in New ZealandLANGER, E. R.
      The spread of lodgepole pine (Pinus contorta Dougl.) in New ZealandLEDGARD, N.
      The spread of introduced trees in New Zealands rangelands - South Island high country experienceLEDGARD, N.
      Wild, unwanted treesMARK, A.; MCFARLANE, D.
      Prospects and risks of biological control of wilding Pinus contorta in New ZealandBROCKERHOFF, E. G.; KAY
      Space invaders - a summary of the Department of Conservations Strategic Plan for Managing Invasive WeedsNEW ZEALAND DEPARTMENT OF CONSERVATION
      Environmental effects of planted forests in New ZealandMACLAREN, J. P.
      Seed predation as a barrier to alien conifer invasionsNUÑEZ, M. A.; SIMBERLOFF, D.; RELVA, M. A.
      Conifers as invasive aliens: a global survey and predictive frameworkRICHARDSON, D.M.; REJMANEK, M.
      Further studies on a native Australian eucalypt forest invaded by exotic pinesCHILVERS, G. A.; BURDON, J. J.
      Control of cluster pine on French Island, VictoriaCORBETT, D. P.
      Demographic changes and the development of competition in a native Australian eucalypt forest invaded by exotic pinesBURDON, J. J.; CHILVERS, G. A.
      Exotic pine field weed control manualWELLS, C. H.
      Temporal variation of Pinus radiata invasion of eucalypt forestDAWSON, M. P.; FLORENCE, R. G.; FOSTER, AM. B.; OLSTHOORN, A.
      Deliberate introductions of species: research needs - benefits can be reaped, but risks are highEWEL, J. J. et al.
      Deliberate introductions of species: research needs - benefits can be reaped, but risks are highEWEL, J. J. et al.
      Naturalization and invasion of alien plants: concepts and definitionsRICHARDSON, D. M. et al.
      Viewing invasive species removal in a whole-ecosystem contextZAVALETA, E.; HOBBS, R. J.; MOONEY, H. A.
      South Island wilding conifer strategyHARDING, M.
      The evolution and execution of a plan for invasive weed eradication and control, Rangitoto Island, Hauraki Gulf, New Zealand. In: Turning the tide - the eradication of invasive species (Veitch, C. R.; Clout, M. N., eds.)WOTHERSPOON, S. H.; WOTHERSPOON, J. A.
      Fire, plant invasions, and global changes. In: Mooney, H. A.; Hobbs, R. J. Invasive species in a changing world.D´ANTONIO, C. M.
      Invasive species and environmental changes in New Zealand. In: Mooney, H. A.; Hobbs, R. J. Invasive species in a changing world.CLOUT, M. N.; LOWE, S. J.
      Invasive alien species: the nature of the problem. In: Mooney, H. A. et al. (eds.) Invasive alien species: a new synthesis.MOONEY, H. A.
      Densidade de plântulas e jovens de espécies nativas de Floresta Atlântica em áreas com e sem o pinheiro americano (Pinus elliottii).VOLTOLINI, J. C.; ZANCO, L.
      Dispersão de espécie exótica no Parque Nacional da Lagoa do Peixe e seu entorno.PORTZ, L. MANZOLLI, R. P. SALDANHA, D. L. CORREA, I. C. S.
      Plantaciones de especies forestales exóticas: revisión y síntesis.PINZÓN, L. F. RAMÍREZ, L. C.
      Projeto Conservação da Mata Atlântica no Rio Grande Do Sul. Plano de Manejo do Parque Estadual de ItapevaSECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (SEMA). Departamento de Florestas e Áreas Protegidas
      Mata Atlântica: Biodiversidade, Ameaças e Perspectivas.LEAL, C. G. e CÂMARA, I. G.
      Impactos ambientais de plantios de Pinus sp. em zonas úmidas: o caso do Parque Nacional da Lagoa do Peixe, RS, Brasil.BURGUENO, L. E. T. QUADRO, M. S. BARCELOS, A. A. SALDO, P. A. WEBER, F. S. JUNIOR, M. K. SOUZA, L. H.
      Plano de manejo da Área de Proteção Ambiental da Serra da Esperança, PR.INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ - IAP
      Dormant propagule banks of aquatic invertebrates in ponds invaded by exotic pine species in southern BrazilSTENERT, C. EHLERT, B. ÁVILA, A. C. SOUSA, F. D. R. ESQUINATTI, F. M. BATZER,D. P. MALTCHIK, L.
      Plano de ação para controle de espécies exóticas invasoras no Parque Natural Sapiens Parque e entorno.Ziller, S. R.
      Exóticas invasoras nas rodovias BR 277, PR 508, PR 407, Paraná, BrasilCARVALHO JR. ET AL.
      Árvores exóticas invasoras no Parque Municipal da Barreirinha (Curitiba, Paraná): subsídios ao manejo e controleSCHOLZ, I.
      Plantas exóticas em uma reserva de floresta atlântica urbana.PETRI, L.
      Management priorities for exotic plants in an urban Atlantic Forest reserve.PETRI, L. ARAGAKI, S. GOMES, E. P. C.
      Inventário florístico florestal de Santa Catarina.VIBRANS, A. C. SEVEGANI, L. GASPER, A. L. LINGNER, D. V.


      
      sziller@institutohorus.org.br | Brasil