Menu


Texto Banner 1
Texto Banner 2
Texto Banner 3
Texto Banner 4
Campos de exibição:
Famanho da fonte:
Linguagem:
Classificado por:
Permanent Link

Ammi majus

Nome comum

Sinônimos

     
    • amio-maior
    • ammi
    • bisnaguinha-do-campo
    • cicuta-negra
     

    Taxonomia

    Autor

    L. 

    Subespécie

     

    Autor da subespécie

     

    Gênero


    Família


    Ordem


    Classe


    Phylum


    Reino


    Subfamília


    Série


    Gerais

    Área de distribuição natural

    Região do Mediterrâneo, nordeste da África e Ásia ocidental.

    Ambientes naturais

    Ambientes de campo, a pleno sol.

    Descrição da espécie

    Herbácea perene, ereta, muito ramificada, de 0,7-1,5 m de altura. Folhas alternas, compostas, bi e tripinadas, as da região da base com folíolos mais largos, elípticos, os da região superior menores, lanceolados a até muito reduzidos. Inflorescência tipicamente em umbela de haste longa, composta, terminal ou axilar, grande, com flores pequenas, brancas.

    Forma biológica

    • Herbácea
     

    Reprodução

    • Sementes
     

    Dispersão

    • Vento
     

    Dieta

       

      Uso econômico

      • Horticultura
      • Medicina
       

      Uso econômico - descrição

      Utilizada na produção de flor de corte e como ornamental em jardins. Na indústria, compostos são extraídos da planta para tratamento de doenças. 

      Invasão

      Tipo de introdução Causa de introdução Local de introdução Data Descrição da introdução
      DeliberadaPara fins ornamentais

      Vetores de dispersão

      • Humano
       

      Vias de dispersão

      • Uso ornamental
       

      Ambientes preferenciais de invasão

         

        Ambientes preferenciais de invasão - descrição

        Prefere solos modificados, férteis e úmidos. 

        Outros locais onde a espécie é invasora

        República Tcheca, Reino Unido, Japão, Argentina e Uruguai. 

        Impactos ecológicos

        Compete com vegetação nativa por espaço e pode causar reações alérgicas à fauna. 

        Impactos econômicos

        Possui uma fototoxina chamada furocoumarina que está presente em toda a planta, especialmente nas sementes. Se ingerida ou em contado da planta com a pele e imediata exposição ao sol pode causar intoxicação. É tóxica ao gado, ovelhas e aves. Os animais perdem peso, diminuem a produção de leite e podem apresentar mastite e outras infecções secundárias. 

        Impactos sociais

         

        Impactos à saúde

         

        Manejo

        Controle mecânico

        Arranquio manual. Roçcada durante a época de floração para evitar a geração de frutos. 

        Controle químico

         

        Controle biológico

         

        Medidas preventivas

         

        Resultados de análises de risco

        Requer maior análise (faltam dados), I3N – Instituto Hórus, www.institutohorus.org.br, Brasil, 2008. 

        Ocorrências

        Distribuição no país

        • Localizada
         
        Estado Município Referência local Área protegida
        1Rio Grande do SulSão GabrielDepressão Central
        2Rio Grande do SulPantano GrandeDepressão Central
        3Rio Grande do SulBagé
        4ParanáCampo do Tenente

        Projetos

        Título Espécies Contato

        Referências

        Título Autor
        Plantas infestantes e nocivas tomo II.KISSMANN, K. G.; GROTH, D.
        Problem plants of South Africa.BROMILOW, C.
        Problem plants of South Africa.BROMILOW, C.
        Invasive Alien Species in Japan: The Status Quo and the New Regulation for Prevention of their Adverse EffectsMITO, T.; UESUGI, T.
        An overview of invasive plants in BrazilZENNI, R. D. ZILLER, S. R.

        Análise de risco

        Amplitude ecológica

        • Generalista
         

        Capacidade de estabelecimento

        • Moderada
         

        Velocidade de crescimento e maturação

        • Anual ou perene, desenvolvimento rápido
         

        Reprodução vegetativa

        • Não tem capacidade de reprodução vegetativa
         

        Produção de sementes

        • Entre 1.000 e 10.000 sementes viáveis por m2
         

        Dispersão natural de sementes

        • Por agentes físicos (água, vento, etc.) mas não por fauna
         

        Dispersão associada a atividades humanas (intencional)

        • Dispersada intencionalmente por pessoas
         

        Dispersão associada a atividades humanas (acidental)

        • Não cresce em áreas de trânsito de pessoas e não tem estruturas que favorecem seu transporte
         

        Capacidade de dominância

        • Indivíduos isolados ou sem capacidade de formar núcleos densos
         

        Alelopatia

        • Desconhecido
         

        Hibridação

        • Não há espécies do mesmo gênero ou se descarta o risco de hibridação
         

        Toxicidade para a fauna silvestre

        • Toda ou parte da planta é tóxica
         

        Hospedeira de parasitas ou patógenos

        • Desconhecido
         

        Leva à alteração de ciclos ecológicos

        • Não tem características que levem ao aumento da frequência ou da intensidade de incêndios
        • Não tem características que levem modificação de processos ecossistêmicos
         

        Causa mudanças na estrutura do hábitat ou na forma de vida dominante

        • A invasão não traz mudanças significativas a estrutura do hábitat ou a forma de vida dominante
         

        Impacto na economia

        • Impacto econômico moderado
         

        Impacto na saúde humana

        • Impacto a saúde moderado
         

        Impacto sobre valores culturais e sobre o uso tradicional da terra

        • Impacto a valores tradicionais baixo ou nulo
         

        Tipo de hábitat

        • Terrestre
         

        Características indesejáveis

           

          Capacidade de rebrote

          • Não há capacidade de rebrote
           

          Tempo de maturação

          • Produz sementes em um ano ou menos
           

          Banco de sementes

          • Viabilidade entre 2 e 9 anos
           

          Resposta ao pastoreio

          • Desconhecido
           

          Resposta ao fogo

          • Prejudicadas pelo fogo
           

          Viabilidade de controle

          • O controle é efetivo e há experiência local
           


          
          sziller@institutohorus.org.br | Brasil
          function setCookie(cname, cvalue, exdays) { var d = new Date(); d.setTime(d.getTime() + (exdays * 24 * 60 * 60 * 1000)); var expires = "expires="+d.toUTCString(); document.cookie = cname + "=" + cvalue + ";" + expires + ";path=/"; } function getCookie(cname) { var name = cname + "="; var ca = document.cookie.split(';'); for(var i = 0; i < ca.length; i++) { var c = ca[i]; while (c.charAt(0) == ' ') { c = c.substring(1); } if (c.indexOf(name) == 0) { return c.substring(name.length, c.length); } } return ""; } });