Menu


Texto Banner 1
Texto Banner 2
Texto Banner 3
Texto Banner 4
Campos de exibição:
Famanho da fonte:
Linguagem:
Classificado por:
Permanent Link

Leucaena leucocephala

Nome comum

Sinônimos

  • Acacia frondosa
  • Acacia glauca
  • Acacia leucocephala
  • Leucaena glauca
  • Leucaena latisiliqua
  • Mimosa glauca
  • Mimosa leucocephala
 
  • acacia-palida
  • faux-acacia
  • leucaena
  • leucena
 

Taxonomia

Autor

(Lam.) de Wit 

Subespécie

 

Autor da subespécie

 

Gênero


Família


Ordem


Classe


Phylum


Reino


Subfamília


Série


Gerais

Área de distribuição natural

América Central e México.

Ambientes naturais

Ambientes abertos, principalmente em zonas ripárias ou costeiras, e em clima tropical seco.

Descrição da espécie

Árvore de pequeno porte, com 5 - 10 m de altura. Folhas alternas bipinadas, com 25 cm de comprimento e 4-9 pares de pinas com 8-10 cm. Cada pina com 11-17 pares de folíolos, de 9-12 mm, opostos, lanceolados, acuminados, de coloração verde-acinzentada. Inflorescência globosa, com pedúnculo de 5-6 cm de comprimento. Flores com corola e estames brancos, cálice com 2,5 mm, pétalas lineares, estames em número de 10 com aproximadamente 1 cm de comprimento e anteras pilosas. Ovário fracamente pubescente no ápice. Vagens agrupadas, lineares, achatadas, com 10-15 cm de comprimento e 2 cm de largura, marrom-escuras, com um bico no ápice. Cada vagem contém aproximadamente 20 sementes de coloração marrom brilhante, oblongas-ovais, achatadas, com 6 mm de comprimento. Reproduz-se principalmente por auto-fecundação, de forma que até mesmo indivíduos isolados produzem sementes. Reproduz-se também por fecundação cruzada, sendo os indivíduos polinizados por um grande número de espécies de insetos generalistas, incluindo abelhas de pequeno e grande portes. Floresce e frutifica continuamente ao longo do ano, podendo cada indivíduo produzir até 2000 sementes por ano. Regenera-se rapidamente após queimadas ou corte. Os indivíduos adultos vivem de 20 e 40 anos e o banco de sementes pode durar entre 10 e 20 anos.

Forma biológica

  • Árvore
 

Reprodução

  • Sementes
 

Dispersão

  • Auto-dispersão
  • Animais
 

Dieta

     

    Uso econômico

    • Combustível
    • Forragem
    • Horticultura
     

    Uso econômico - descrição

    Folhas e vagens utilizadas como forragem para animais, especialmente cabras, e madeira utilizada como lenha. Uso ocasional em arborização urbana. 

    Invasão

    Tipo de introdução Causa de introdução Local de introdução Data Descrição da introdução
    DeliberadaRestauração de hábitatsIlha de Trindade1998Introduzida pelo IBAMA e pela Marinha Brasileira para fins de recuperação de hábitats (dados não publicados).

    Vetores de dispersão

    • Animal vetor
    • Humano
    • Maquinário
    • Solo
     

    Vias de dispersão

    • Agricultura
    • Jardins botânicos/zoológicos
    • Pessoas trocando recursos naturais
    • Uso ornamental
    • Vendas via internet/serviços postais
     

    Ambientes preferenciais de invasão

    • Área degradada
     

    Ambientes preferenciais de invasão - descrição

    Solos de baixa acidez, mesmo degradados. Ambientes secos a mésicos. Largamente encontrada ao longo de rodovias, em áreas degradadas e agrícolas, em pastagens e em afloramentos rochosos, principalmente nos domínios das de formações florestais, mas também em restingas e mangues. 

    Outros locais onde a espécie é invasora

    Samoa Americana, Angola, Anguilla, Antigua e Barbuda, Argentina, Aruba, Austrália, Bahamas, Bangladesh, Barbados, Benin, Bermuda, Bolívia, Botswana, Brunei, Darussalam, Burkina Faso, Burundi, Camboja, Camarões, Cabo Verde, Ilhas Caimã, República Central Africana, Chad, China, Ilhas Cocos (Keeling), Colômbia, Congo, Ilhas Cook, Costa Rica, Costa do Marfim, Cuba, Djibouti, República Dominicana, Equador, Egito, El Salvador, Equatorial Guinea, Eritrea, Etiópia, Estados Federados da Micronésia, Fiji, Guiana Francesa, Polinésia Francesa, Gabão, Gambia, Ghana, Grenada, Guadalupe, Guam, Guatemala, Guinea, Guinea-Bissau, Guyana, Haiti, Honduras, Índia, Indonésia, Jamaica, Kenia, Kiribati, Laos, Libéria, Madagascar, Malawi, Malásia, Mali, Martinica, Mauritius, Montserrat, Marrocos, Moçambique, Myanmar (Burma), Nepal, Antilhas Finlandesas, Nova Calcedônia, Niger, Nigéria, Paquistão, Panamá, Papua Nova Guiné, Paraguai, Peru, Filipinas, Porto Rico, Reunião, Ruanda, Santa Helena, Saint Kitts e Nevis, Santa Lúcia, Saint Vincent e Grenadines, Samoa, Senegal, Seicheles, Serra Leoa, Singapura, Ilhas Solomon, Somália, África do Sul, Sri Lanka, Sudão, Suriname, Swazilândia, Tanzânia, Tailândia, Timor Leste, Togo, Tonga, Trinidad e Tobago, Tunísia, Turks e Caicos, Uganda, Estados Unidos, Uruguai, Vanuatu, Venezuela, Vietnã, Ilhas Virgens, Zaire, Zâmbia e Zimbábue. 

    Impactos ecológicos

    Forma densos aglomerados, dominando o ambiente e impedindo o estabelecimento de plantas nativas. No Havaí, altera o curso da sucessão vegetal em áreas com derrames de lava ainda não colonizados por plantas nativas. Siqueira (2002) mostrou que, em projetos de restauração realizados no interior do estado de São Paulo, o estrato de regeneração apresentou baixa riqueza de espécies, sendo a maior parte dos indivíduos amostrados pertencentes à leucena, que parece limitar o processo de regeneração natural nessas áreas, em função de sua atividade alelopática. 

    Impactos econômicos

    Possui altos teores de mimosina, substância tóxica aos animais não ruminantes, que provoca a queda dos pêlos quando ingerida em grande quantidade. 

    Impactos sociais

     

    Impactos à saúde

     

    Manejo

    Controle mecânico

    Roçadas sempre antes do início da produção de sementes. Controle por pastoreio de caprinos (Motooka et. al., 2002). O controle mecânico é pouco eficiente porque e espécie rebrota vigorosamente. Não usar anelamento porque estimula a brotação. 

    Controle químico

    Corte e aplicação de herbicida à base de triclopyr, diluído em óleo vegetal, na concentração de 4%. A aplicação do mesmo herbicida diretamente sobre a casca, na base, em anel ao redor de todo o tronco, é eficiente especialmente para plantas com até 10 ou 15cm de diâmetro. 

    Controle biológico

    Foi testada a eficácia do inseto Psyllide heterophylla na África do Sul e chegou-se à conclusão de que o inseto pode causar desfoliação cíclica das plantas, porém não as elimina, tendo assim resultados pouco eficientes. 

    Medidas preventivas

    Resultados de análises de risco

    Risco alto para a Austrália e as lhas do Pacífico (http://www.hear.org/pier/species/leucaena_leucocephala.htm). Risco alto, I3N – Instituto Hórus, www.institutohorus.org.br, Brasil, 2008. 

    Ocorrências

    Distribuição no país

    • Amplamente distribuída
     
    Estado Município Referência local Área protegida
    1São PauloIracemápolisMata ciliar na Represa de Iracemápolis
    2São PauloCastilhoMata ciliar na UHE Jupiá - CESP
    3São PauloCândido MotaMatas ciliares nas fazendas Cananéia e São Domingos
    4ParanáRodovias BR 277, PR 407 e PR 508, na faixa de domínio da Concessionária Ecovia Caminho do Mar S/A
    5Minas GeraisIpatingaEstrada de Ferro Vitória - Minas
    6Mato Grosso do SulSelvíriaMata ciliar na UNESP – Fazenda Experimental
    7Distrito FederalBrasíliaZona de Uso Intensivo, Zona de Uso Extensivo e áreas limítrofes à UCParque Nacional de Brasília
    8Santa CatarinaFlorianópolisZona de AmortecimentoParque Natural Municipal da Lagoa do Peri
    9AmazonasManausEntorno do ParqueParque Estadual Sumaúma
    10AmazonasManausMargens de igarapés
    11AmazonasManausTrilhas e borda externa do ParqueParque Municipal do Mindu
    12AmazonasManausÁrea interna ao Parque, próximo à bordaParque Estadual Sumaúma
    13AmazonasManaus
    14AlagoasAnadia
    15AlagoasArapiraca
    16AlagoasAtalaia
    17AlagoasÁgua Branca
    18AlagoasBarra de Santo Antônio
    19AlagoasBarra de São Miguel
    20AlagoasBatalha
    21AlagoasBelém
    22AlagoasBelo Monte
    23AlagoasBelo Monte
    24AlagoasBoca da Mata
    25AlagoasBranquinha
    26AlagoasCacimbinhas
    27AlagoasCajueiro
    28AlagoasCampestre
    29AlagoasCampo Alegre
    30AlagoasCampo Grande
    31AlagoasCanapi
    32AlagoasCapela
    33AlagoasCarneiros
    34AlagoasChã Preta
    35AlagoasCoité do Nóia
    36AlagoasColônia Leopoldina
    37AlagoasCoqueiro Seco
    38AlagoasCoruripe
    39AlagoasCraíbas
    40AlagoasDelmiro Gouveia
    41AlagoasDois Riachos
    42AlagoasEstrela de Alagoas
    43AlagoasFeira Grande
    44AlagoasFeliz Deserto
    45AlagoasFlexeiras
    46AlagoasGirau do Ponciano
    47AlagoasIbateguara
    48AlagoasIgaci
    49AlagoasIgreja Nova
    50AlagoasInhapi
    51AlagoasJacaré dos Homens
    52AlagoasJacuípe
    53AlagoasJaparatinga
    54AlagoasJaramataia
    55AlagoasJequiá da Praia
    56AlagoasJoaquim Gomes
    57AlagoasJundiá
    58AlagoasJunqueiro
    59AlagoasLagoa da Canoa
    60AlagoasLimoeiro de Anadia
    61AlagoasMaceió
    62AlagoasMajor Isidoro
    63AlagoasMar Vermelho
    64AlagoasMaragogi
    65AlagoasMaravilha
    66AlagoasMarechal Deodoro
    67AlagoasMaribondo
    68AlagoasMata Grande
    69AlagoasMatriz de Camaragibe
    70AlagoasMessias
    71AlagoasMinador do Negrão
    72AlagoasMonteirópolis
    73AlagoasMurici
    74AlagoasNovo Lino
    75AlagoasOlho d'Água das Flores
    76AlagoasOlho d'Água do Casado
    77AlagoasOlho d'Água Grande
    78AlagoasOlivença
    79AlagoasOuro Branco
    80AlagoasPalestina
    81AlagoasPalmeira dos Índios
    82AlagoasPariconha
    83AlagoasParipueira
    84AlagoasPasso de Camaragibe
    85AlagoasPaulo Jacinto
    86AlagoasPão de Açúcar
    87AlagoasPenedo
    88AlagoasPiaçabuçu
    89AlagoasPilar
    90AlagoasPindoba
    91AlagoasPiranhas
    92AlagoasPoço das Trincheiras
    93AlagoasPorto Calvo
    94AlagoasPorto de Pedras
    95AlagoasPorto Real do Colégio
    96AlagoasQuebrangulo
    97AlagoasRio Largo
    98AlagoasRoteiro
    99AlagoasSanta Luzia do Norte
    100AlagoasSantana do Ipanema
    101AlagoasSantana do Mundaú
    102AlagoasSatuba
    103AlagoasSão Brás
    104AlagoasSão José da Laje
    105AlagoasSão José da Tapera
    106AlagoasSão Luís do Quitunde
    107AlagoasSão Miguel dos Campos
    108AlagoasSão Miguel dos Milagres
    109AlagoasSão Sebastião
    110AlagoasSenador Rui Palmeira
    111AlagoasTanque d'Arca
    112AlagoasTaquarana
    113AlagoasTeotônio Vilela
    114AlagoasTraipu
    115AlagoasUnião dos Palmares
    116AlagoasViçosa
    117BahiaIlhéus
    118BahiaIlhéus
    119BahiaItamari
    120CearáCrateúsReserva Particular do Patrimônio Natural Serra das Almas
    121CearáFortalezaMargens do rio Cocê dentro de Fortaleza, perto do Shopping Iguatemi
    122CearáFortimMargens do rio Cocê dentro de Fortaleza, perto do Shopping Iguatemi
    123CearáFrecheirinhaMargens do rio Cocê dentro de Fortaleza, perto do Shopping Iguatemi
    124Espírito SantoAnchietaÁrea de Proteção Ambiental da Guanabara
    125Espírito SantoAracruz
    126Espírito SantoCachoeiro de ItapemirimFloresta Nacional de Pacotuba
    127Espírito SantoCariacicaReserva Biológica de Duas Bocas
    128Espírito SantoConceição da BarraÁrea de Proteção Ambiental Conceição da Barra
    129Espírito SantoConceição da BarraParque Estadual de Itaúnas
    130Espírito SantoConceição da BarraParque Estadual de Itaúnas
    131Espírito SantoGuarapariParque Estadual Paulo César Vinha
    132Espírito SantoGuarapariPraia dos Padres
    133Espírito SantoSerraÁrea de Proteção Ambiental da Lagoa de Jacuném
    134Espírito SantoVila VelhaMonumento Natural Morro do Penedo
    135Espírito SantoVila VelhaParque Natural Municipal Morro da Mantegueira
    136Espírito SantoVila VelhaParque Natural Municipal de Jacarenema
    137Espírito SantoVila VelhaÁreas urbanas degradadas
    138Espírito SantoVitóriaParque Municipal Fonte Grande
    139Espírito SantoVitóriaParque Natural Municipal de Tabuazeiro
    140Espírito SantoVitória
    141Espírito SantoVitóriaParque Natural Municipal de Tabuazeiro
    142Espírito SantoVitóriaParque Natural Municipal Vale do Mulembá
    143Espírito SantoVitóriaÁreas urbanas degradadas
    144Espírito SantoVitóriaIlha de Trindade
    145MaranhãoSão LuísMargens da lagoa Jansen (Manguezal)
    146Mato GrossoChapada dos GuimarãesParque Nacional da Chapada dos Guimarães
    147Mato Grosso do SulBodoquena.
    148Mato Grosso do SulCorumbáEstrada Miranda-Morrinho (rio Paraguai), BR-262
    149Mato Grosso do SulMirandaEstrada Miranda-Morrinho (rio Paraguai), BR-262
    150Minas GeraisBelo HorizonteParque Municipal das Mangabeiras
    151Minas GeraisLagoa SantaMargem do rio das Velhas e bordas de estradas
    152Minas GeraisPedro LeopoldoMargem do rio das Velhas e bordas de estradas
    153Minas GeraisSanta LuziaMargem do rio das Velhas e bordas de estradas
    154Minas GeraisUberlândiaÁrea de Preservação Permanente do Córrego do Óleo
    155ParaíbaJoão PessoaBarreira do Cabo Branco desde a praia do Sol até o bairro São José
    156ParaíbaJoão PessoaMata Atlântica do Parque Zoo Arruda Câmara
    157ParaíbaJoão PessoaParque Solon de Lucena (lagoa) no Centro da cidade de João Pessoa
    158ParaíbaTavares
    159ParanáCuritiba
    160PernambucoBom JardimPropriedades particulares e com experimentos do governo
    161PernambucoFernando de NoronhaParque Nacional Marinho de Fernando de Noronha
    162PernambucoFernando de NoronhaÁrea de Proteção Ambiental de Fernando de Noronha
    163PernambucoIpojucaPorto de Galinhas
    164PernambucoParnamirimPropriedades particulares e com experimentos do governo
    165PernambucoRecifeMangue
    166PernambucoSerra TalhadaPropriedades particulares e com experimentos do governo
    167PiauíCampo MaiorFazendas, sítios, beiras de estrada
    168PiauíCaracolVias públicas em área urbana do município
    169PiauíCorrenteFazendas, sítios, beiras de estrada
    170PiauíPicosFazendas, sítios, beiras de estrada
    171PiauíPiracurucaFazendas, sítios, beiras de estrada
    172PiauíSão Félix do Piauí
    173PiauíSão Raimundo NonatoSítio do Mocó, área da escola da FUNDHAM, adjacente ao Parque Nacional da Serra da Capivara
    174PiauíSimplício MendesFazendas, sítios, beiras de estrada
    175PiauíTeresinaCanteiros centrais de ruas, avenidas, áreas de praça, fazendas e sitios
    176Rio de JaneiroAraruamaÁreas abandonadas e áreas de restinga
    177Rio de JaneiroArraial do CaboÁreas abandonadas, ruas e entornos da cidade e áreas de restinga
    178Rio de JaneiroItaguaíCosta Verde, distrito de Ilha da Madeira
    179Rio de JaneiroNiteróiÁreas abandonadas e áreas de restinga
    180Rio de JaneiroRio de JaneiroMonumento Natural dos Morros do Pão de Açucar e da Urca
    181Rio de JaneiroRio de JaneiroParque Natural Municipal Paisagem Carioca
    182Rio de JaneiroRio de JaneiroInventários realizados em todo municipio e áreas adjacentes
    183Rio Grande do NorteSerra Negra do NorteEstação Ecológica do Seridó
    184Rio Grande do SulCaxias do Sul
    185Rio Grande do SulTorres
    186RondôniaCandeias do JamariÁrea degradada pela mineraçãoFloresta Nacional do Jamari
    187RondôniaCujubimÁrea degradada pela mineraçãoFloresta Nacional do Jamari
    188RondôniaItapuã do OesteÁrea degradada pela mineraçãoFloresta Nacional do Jamari
    189RoraimaBoa VistaCampus da Embrapa de Água Boa
    190São PauloBauruAo longo de riosÁreas de Preservação Permanente
    191São PauloEmbu-GuaçuParque Estadual da Várzea do Embu-Guaçu
    192São PauloFranco da RochaCampo de aviaçãoParque Estadual do Juquery
    193São PauloPiracicaba
    194São PauloPiracicaba
    195São PauloSaltinho
    196São PauloSão PauloParque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI)
    197São PauloSão PauloParque Independência
    198São PauloSão PauloParque Santa Amélia
    199SergipePorto da Folha
    200Santa CatarinaAraquariEm áreas abertas ou degradadas
    201Santa CatarinaLacerdópolisEm áreas abertas
    202Santa CatarinaFlorianópolisVia Expressa Sul (área aterrada próxima ao túnel)
    203ParanáCampo MourãoEm áreas não florestais ou florestas degradadasEstação Ecológica Municipal do Cerrado
    204ParanáCuritibaEm áreas de floresta degradada ou plantadas
    205ParanáColoradoEm áreas de floresta degradada ou plantadas
    206ParanáAntoninaEm áreas de floresta degradada ou plantadas
    207ParanáIbiporãParque Estadual Ibiporã
    208ParanáPiraquaraEm áreas abertas
    209ParanáCuritibaEm áreas abertas
    210ParanáCuritibaEm áreas abertas
    211ParanáIbaitiEm áreas degradadas
    212ParanáLondrinaEm áreas degradadas
    213ParanáSanta HelenaEm áreas degradadas
    214ParanáColomboEm áreas degradadas
    215ParanáColomboEm áreas abertas
    216ParanáCascavelZoológico do Parque Municipal Paulo Gorski
    217ParanáTibagiFazenda Rincão do Paiol
    218ParanáTibagiFazenda Salto Cotia
    219ParanáFênixParque Estadual de Vila Rica do Espírito Santo
    220ParanáFoz do IguaçuItaipu

    Projetos

    Título Espécies Contato

    Referências

    Título Autor
    Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas.LORENZI, H.; SOUZA, H. M.; TORRES, M. A. V.; BACHER, L. B.
    Weeds of pastures and natural areas of Hawaii and their management.MOTOOKA, P.; CASTRO, L.; NELSON, D.; NAGAI, G.; CHING, L.
    Análise da colonização vegetal espontânea em ambientes modificados por medidas físicas na recuperação de áreas degradadas.TREVISOL, R. G.; NEVES, L. G.; SILVA, R. T.; VALCARCEL, R.
    Problem plants of South Africa.BROMILOW, C.
    Recuperação ambiental e contaminação biológica: aspectos ecológicos e legais.ESPÍNDOLA, M. B.; BECHARA, F. C.; BAZZO, M. S.; REIS, A.
    Informe sobre las especies exóticas en VenezuelaOJASTI, J. ; JIMÉNEZ, E. G. ; OTAHOLA, E. S. ; ROMÁN, L. B. G.
    Alien weeds and invasive plants - A complete guide to declared weeds and invaders in South AfricaHENDERSON, L.
    Espécies vegetais exóticas invasoras em florestas no Rio Grande do Sul.MONDIN, C. A.
    Prejuízos causados pelas espécies exóticas invasoras na Floresta Nacional de PacotubaXAVIER, T. M. T.; MORENO, M. R.
    Commercial forestry and agroforestry as sources of invasive alien trees and shrubs. In: Invasive species and biodiversity managementRICHARDSON, D. M.
    Protocols for plant introductions with particular reference to forestry: changing perspectives on risks to biodiversity and economic developmentHUGHES, C. E.
    Impact of alien plants on Hawaii´s native biota. In: Hawaii´s terrestrial ecosystems: preservation and management (STONE, C. P.; SCOTT, J. M., eds.)SMITH, C.
    Viewing invasive species removal in a whole-ecosystem contextZAVALETA, E.; HOBBS, R. J.; MOONEY, H. A.
    Invasive Alien Species in Japan: The Status Quo and the New Regulation for Prevention of their Adverse EffectsMITO, T.; UESUGI, T.
    Plantas invasoras em Roraima. In: Roraima - homem, ambiente e ecologia (Barbosa, R. I.; Melo, V. F., org.)BARBOSA, J. B. F.
    Human dimensions of invasive alien species in Sri Lanka. In: The great reshuffling: human dimensions of invasive alien species (McNeely, J. A., ed.).MARAMBE, B.; BAMBARADENIYA, C.; KUMARA, D. K. P.; PALLEWATTA, N.
    Las especies invasoras: un reto para la restauración ecológica.LEÓN, O. A. RÍOS, O. V.
    Subsídios para a elaboração do Plano de Manejo do Horto Florestal do Litoral NortePROGRAMA RS RURAL
    Terrestrial vascular floras of Brazils Oceanic Archipelagos. In: Ilhas oceânicas brasileiras - da pesquisa ao manejo.ALVES, R. J. V.
    An overview of invasive plants in BrazilZENNI, R. D. ZILLER, S. R.
    Invasão biológica na Mata Atlântica como resultado do processo histórico de ocupação no Morro das Andorinhas, Niterói (RJ)BARROS, A. A. M. MACHADO, D. N. S.
    Espécies exóticas na comunidade vegetal do Parque Estadual Sumaúma: potencial de impacto, uso humano e propostas de controleMAGALHÃES, L. C. S
    Espécies vegetais nos quintais do entorno do Parque Estadual Sumaúma: invasões biológicas e a conservação da biodiversidadeCRUZ, I. A.
    Invasão biológica vegetal de espécies exóticas no Parque Municipal do Mindu na cidade de Manaus - AM.OLIVEIRA, R. A.
    Exóticas invasoras nas rodovias BR 277, PR 508, PR 407, Paraná, BrasilCARVALHO JR. ET AL.
    Avaliação do potencial invasivo de espécies não-nativas utilizadas em plantio de restauração de matas ciliares.ASSIS, G.B.

    Análise de risco

    Amplitude ecológica

    • Generalista
     

    Capacidade de estabelecimento

    • Desconhecido
     

    Velocidade de crescimento e maturação

    • Perene, desenvolvimento lento - estruturas vegetativas
     

    Reprodução vegetativa

    • Não tem capacidade de reprodução vegetativa
     

    Produção de sementes

    • Entre 1 e 1.000 sementes viáveis por m2
     

    Dispersão natural de sementes

    • A planta no produz sementes viveis
     

    Dispersão associada a atividades humanas (intencional)

    • Dispersada intencionalmente por pessoas
     

    Dispersão associada a atividades humanas (acidental)

    • Cresce em áreas de trânsito de pessoas e tem estruturas que favorecem seu transporte
     

    Capacidade de dominância

    • Indivíduos formam núcleos de alta densidade
     

    Alelopatia

    • Desconhecido
     

    Hibridação

    • Desconhecido
     

    Toxicidade para a fauna silvestre

    • Toda ou parte da planta é tóxica
     

    Hospedeira de parasitas ou patógenos

    • Hospeda parasitas ou patógenos
     

    Leva à alteração de ciclos ecológicos

    • Não tem características que levem ao aumento da frequência ou da intensidade de incêndios
     

    Causa mudanças na estrutura do hábitat ou na forma de vida dominante

    • Desconhecido
     

    Impacto na economia

    • Desconhecido
     

    Impacto na saúde humana

    • Impacto a saúde baixo ou nulo
     

    Impacto sobre valores culturais e sobre o uso tradicional da terra

    • Desconhecido
     

    Tipo de hábitat

    • Terrestre
     

    Características indesejáveis

       

      Capacidade de rebrote

      • Capacidade de rebrote moderada
       

      Tempo de maturação

      • Produz sementes entre idade de 1 e 3 anos
       

      Banco de sementes

      • Viabilidade entre 2 e 9 anos
       

      Resposta ao pastoreio

      • Tolera pastoreio de gado ou outros herbívoros
       

      Resposta ao fogo

      • Tolerantes ao fogo
       

      Viabilidade de controle

      • O controle é viável, mas não há experiência local ou meios para implementá-lo
       


      
      sziller@institutohorus.org.br | Brasil